Translate

Posted by : Middle East Daily Filho July 01, 2012


Esta história foi enviada por uma menina síria chamada "I.S." para a caixa de e-mail da ativista italiana dos Direitos Humanos Isabelle Prax. Isabelle me enviou este doloroso depoimento. Eu chorei. É a primeira vez que alguém me descreve uma caso de estupro, sendo ela mesma a vítima:

"I.S." conta:

"Você quer a liberdade? "..." Ok ". Começaram a gargalhar. "Vamos mostrar o que a verdadeira liberdade."
- Eles disseram

Fomos todos amarrados no bairro perto de nossas casas. As crianças estavam lá e choravam com medo. Os homens, foram levados para um local desconhecido. Aterrorizados, nós choramos, "Ajuda" - pedimos. Gritos, gritos, crianças chorando...

Eu estava tremendo de medo. O que eles querem, o que eles procuram?. ..  Trinta pessoas, não: monstruosas montanhas musculares, robustos, assustadores ... Seus olhos também fazem medo.

Eles me fazem sentir fora destes contos míticos, onde o Genie Azul diz a seu mestre: "Estou ao seu serviço".

Mas eles não eram de pensamentos bons .. Eles disseram: "vamos mostrar-lhe a liberdade como deveria." Eles estavam fortemente armados com pistolas e facas (Shabihas).

Eles levaram as mulheres e os amarraram com as crianças, eles sabiam que isso iria acontecer e pediram ajuda.
Eles nos deixaram, nós meninas, sobre o lugar, as mulheres gritavam, as crianças choravam.

Eles começaram comigo. Eu era um monstro solto. Eu resisti, "Deixem-me! "Ele me puxaram pelos cabelos e me jogaram no chão. Minha cabeça bateu no chão. Eu gritei e ouvi a voz de minha mãe longe de mim gritando:

- "Não, não, deixe-a, esta é uma menina jovem. É proibida (virgem). O futuro está diante de si, levar-me em vez disso, eu lhe peço. "

Minha mãe e outras mulheres gritando, chorando, se voltar para Deus a pedir proteção. Seu sofrimento excitava os monstros. Eles riam ainda mais e tornaram-se mais violentos.

Deitada no chão, eu vi três caras vindo para perto de mim, zombando, exultantes, e uma mão começou a passear sobre o meu corpo.

"Ó mãe, meu protetor", dentro de segundos, eu estava completamente nua.

Eu ainda estou tentando resistir. Eu tremo como uma galinha que vai ao sacrifício. Armas aproximam-se de mim, como os tentáculos de um polvo, eles me esmagam, eu sinto que eles me injetam um produto.

Eu estou calma agora, como deficientes, sim, eu ainda estou à frente deles.  Eles jogam com o meu corpo como querem. Eu estava sob a influência de drogas, mas violaram minha alma gemia, eles eram como um furacão que varre tudo em seu caminho.

Minha mãe chorou, saiam, criminosos, que a minha menina, chora, grita, e então eu não ouço mais nada.

Eu estava sufocando, eu senti um cheiro de corpo podre, nojento.

Eles - "Você quer a liberdade, né, bem, isso é liberdade! "," Liberdade, liberdade! ". Risos novamente. Minha dor era insuportável. Eu tenho a minha liberdade.

Outro monstro começou a bater-me no rosto, no corpo, golpes muito violentos. Um deles esmaga meu peito com seus pés enormes. Senti meus ossos estalando sob seus sapatos. Uns mordem todo o meu corpo.

"Minha mãe, eu quero que você esteja lá, que você me beije com a doçura e a ternura das suas mãos, como sempre fez, quando cheguei em casa chorando depois de ter sido agredida pelos filhos do nosso vizinho . "Não se preocupe, querida, vamos reclamar com a mão deles."

Para quem se pode reclamar destes monstros agora, mãe?
Mãe .... Eu ainda posso ouvir seus gritos: "O que uma catástrofe!

- Minha filha, ó Deus Clemente ". Alguém lhe bateu: "Cale a boca,  mãe de uma puta."

Eles continuam a tocar no meu corpo, um após o outro, batendo palmas, rindo, cantando mais uma vez: "Nós também queremos liberdade."

Dez monstros humanos se revezaram em torno de minha dor no meu do corpo. Eles me torturaram, um após o outro.

Eu não posso mais ouvir os gritos de minha mãe. Eu virei a cabeça, depois do meu estupro, eu a encontrei. O chão, deitada, coberta de sangue.

Ela havia sido abatida, com outras mulheres e crianças. Eles foram todos massacrados. Eu não era a única menina a participar da festa. Os outros tinham sido torturados e mortos.

A última dança da liberdade sobre o meu corpo termina.

Alguém queria cortar minha garganta como os outros tinham sido. Uma voz disse:

- "Deixe-a. Você não pode ver que ela está quase morta, ela mal pode respirar. "

Sim, eu quase não respirava. Eles haviam quebrado minhas costelas sob seus pés, mas eu ainda estou viva, meu corpo vivo, o ser humano tem que me matar. Eles mataram minha alma, oh como eu gostaria que eles pudessem matar o meu corpo também!

Depois que terminaram os massacres, estupros, torturas, jogaram meu corpo em uma lixeira, para que eu morresse.

- "No lixo, isto é, o seu lugar, cadela! ".

O tempo passa lentamente. Estou nua, ferida, estou respirando com dificuldade, eu sinto frio e vazio. O lugar é tranquilo, agora que os clamores e gritos silenciaram.

A morte está rondando em torno de mim, silêncio.

Horas e horas se passaram, então eu ouvi passos e vozes, parece-me suaves....

Eles examinam os corpos, eles tentam coletar, transportar-los ainda mais. Senti que uma mão tocou no meu peito e uma voz disse:

- "Ela está viva! Ela está viva! ".

Horas, dias, semanas, eu não sei. Acordei mais tarde, infelizmente. Teria sido melhor se eu não acordasse. Seria melhor que eu estivesse no outro lado.

-"Graças a Deus que você salvou," dois olhos amorosos de uma velha senhora, olham para mim.

Comecei a perceber o que tinha acontecido comigo. Eu chorei. Chorei com minha alma, meus sonhos, desejos, eu chorei por minha mãe, eu chorei por meu país.

- "Não se preocupe, querida, você está segura aqui." Eu virei o meu rosto, eu estava em silêncio. Eu fiquei em silêncio, para não falar, eu não sabia onde eu estava. Eles me disseram: "Você está fora do seu país, nós vamos cuidar de você. Não se preocupe, você vai continuar sua vida ".... Que vida?

Um psiquiatra chegou, ele me disse algo, eu não ouvi, ele me deu antidepressivos .... Então o que?

- "Você é uma heroína, você é a honra do país."

A última coisa que lembro é que eu estava em uma lixeira.  Eu não sou nada!  Eu estava em um quarto pequeno, mas limpo e confortável. Eles ligaram a TV para que eu encontre algum interesse no mundo, que Eu permaneço em contato com o mundo exterior. Eles decoraram meu quarto com belas fotos de uma garota que sorria. Um rapaz pendurava as fotos na parede.

Ele ficou envergonhado quando terminou seu trabalho e desejou-me boa saúde e disse que eu ficaria segura. Suas palavras me relaxaram, mas não me confortaram. E como ele estava muito envergonhado, ele se esqueceu o martelo sobre a mesa antes de sair.

Eu não estava sozinha no hotel, havia outras meninas que foram estupradas, também. Eu sabia que havia pessoas para nos ajudar. Mas isso não acalmava a minha dor, o meu medo e a minha ansiedade. Senti que iria enlouquecer algum dia.

Eu tinha raiva. Eu soluçava e chorava, como suportar o que eu suportei?

Há poucos dias, eu ainda era uma garota que sonhava "peluches de amor e um cavalo branco que levava para a felicidade eterna .

Onde eu estou agora, onde está meu pai? Onde está minha mãe, meus irmãos, minha família?

- "Você deve contar a sua história, vamos registra-la como a dos outros, a fim de acusar os criminosos mais tarde - diz a voz - para que você possa sair. Você tem o futuro diante de você. "

O que posso dizer? Como descrever o que vivi e como fui estuprada?

- "Fala", mas minha alma está em silêncio. Um dia, eu assisti um programa na televisão, eu ouvi alguém falar sobre o meu país, as suas crises, suas tragédias, e nós, meninas estupradas, liberdades feridas.

Alguém disse: - "Por que falar sobre essas histórias, é uma coisa muito sensível na nossa sociedade. A honra de uma menina é o hímen, é a honra da nação. Por que falar sobre o que feriu essas meninas?

Vamos falar sobre outros crimes, repressão, assassinatos, prisões, tortura, exílio. Casos de estupro são muito raros, os casos individuais, e em segundo lugar, porque registrar essas histórias? No que é que isto terminará? Outro escândalo. É inútil!

Deixa viverem suas vidas. O que é passado é passado, não vale a pena falar sobre essas coisas escondidas."

Então é isso! Eles são "estupro"! Eu sou um "estupro"! O que eles dizem da minha alma morta? Porque, monstros humanos continuarão suas vidas como se nada tivesse acontecido, eles vão continuar a matar e violar!

Eu fiquei em silêncio, mas algo dentro de mim explodiu. Um vulcão despertado. Uma erupção vulcânica. Seu fogo queimou tudo ... tudo ... tudo ... Minha silenciosa explosão de raiva.

Eu vi o martelo, manteve-se sobre a mesa. Tomei isso como quem puxa a espada da bainha, e eu comecei a bater na televisão até cansar.

As imagens reaparecem na minha mente e se recusam a sair.

Eu grito, mas não era a minha voz, era a voz da liberdade, raiva e pela dignidade.

O tolo que deu o seu conselho... finalmente, você.

Mas eu, eu vou ficar quieta novamente. Minha voz explode novamente e grita, expulsando minha raiva, meu medo, meu medo.
Um grito que reaviva a minha alma quebrada.

Oh bastardos, vocês querem que a gente se cale, não nunca Oh, eu escrevo em lágrimas, eu vou calar a boca de novo!

Eu sou humana,
                                                               Eu sou um ser humana
                                                               Eu sou um ser humana
Eu não sou um caso de estupro.
Estou relaxada, lágrimas, e eu espero que as lágrimas me consolem.

Uma mão macia acariciou meus cabelos. Eu olhei.

 A voz suave da velha senhora: "Não chore, minha querida, estamos todos com você."

Texto original em árabe - tradução corrigida por saulo valley - https://www.facebook.com/notes/isabelle-prax/t%C3%A9moignage-d-ibtissam-sardast-jeune-fille-de-douma-viol%C3%A9e-lors-dun-massacre-trad/353960361340732

Leave a Reply

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

Estatisticas

Searching this blog

Popular Post

Blog Archive

Facebook

Blog Humans by World Peoples

My photo

O BlogHumans é uma página de internet voltada para os direitos humanos internacionais, cada vez mais necessários nos atormentados dias de hoje. Escrito em vários idiomas, o BlogHumans é composto por diversos colaboradores internacionais. Ativistas, jornalistas e escritores defendem e lutam pelos direitos de todos os povos oprimidos no planeta.  Seja mais um a colaborar ativamente para a evolução deste importante trabalho para a manutenção da dignidasde da raça humana!
http://bloghumans.blogspot.com

Google+ Followers

Send to a Friend

Share |

Support Us, Please?

There was an error in this gadget

Country Counter

Followers

BlogHumans NGO. Powered by Blogger.

- Copyright © Middle East Daily -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -